"MESTRE NÃO É SÓ QUEM ENSINA; MAS QUEM, DE REPENTE, APRENDE."
GUIMARÃES ROSA

domingo, 27 de novembro de 2011

MESTRE............

A NÓS PROFESSORES, QUE DEDICAMOS COM AMOR SEMPRE O QUE FAZEMOS...

ATIVIDADES PRESENCIAIS

INTEGRAÇÃO TECNOLÓGICA LINGUAGEM E REPRESENTAÇÃO.

1- Como o professor pode desenvolver uma prática pedagógica integradora, contemplando os conteúdos curriculares, as competências, as habilidades e as diferentes tecnologias disponíveis na escola em ações nas quais as tecnologias possam contribuir efetivamente?

        O uso das tecnologias traz efetivas contribuições para educação. Todas as tecnologias existentes hoje na escola contribui para prática pedagógica,  mas o uso das mídias digitais incorpora diferentes linguagens, interfere na comunicação social.

 2- Como o professor pode criar uma situação de aprendizagem com o uso de tecnologias que seja  significativas para o aluno?

        As mudanças dos ambientes com linguagens próximas do universo do aluno (interesse do aluno). Informações que são significativas de acordo com nossas crenças, atitudes, valores e concepções que retratam nosso modo de vida e as formas simbólicas. Atender ás características de mudança da sociedade.

MELHORIAS QUE EXPLOREM AS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS

Na rodinha trabalhando com a oralidade: o uso do livro infantil.
 Sala de vídeo.

Realizando tarefa com o uso da apostila xerografada.
 Uso do microfone em entrevista com a nutricionista da escola.
 Uso da massa de modelar.(trabalhando com a coordenação motora)
 Sala de computação.
 Brinquedo pedagógico.
 Parque da escola.(recreação)

ATIVIDADES PRESENCIAIS

                                                                              
1-O que é ser professor hoje?
Ser professor nos dias de hoje é ser adepto as novas mudanças, é ter vontade de aprender sempre. É encarar a sala de aula sempre motivada disposta em ensinar e aprender. é amar o que faz.

2-Como sou como aprendiz diante de uma situação inovadora?
Sou uma pessoa aberta a inovação. Busco com empolgação o que vou aprender. Dedicada e responsável.

3-A prática me faz rever aquilo que preciso saber?
Sim, pois a cada dia aprendo mais e busco colocar em pratica o que sempre aprendo no dia a dia.

4-Como lido com as inovações que chegam à Escola?
 Procuro me interar com a comunidade escolar e aplicar em minhas aulas.

5-O que a tecnologia oferece de novo?
 Um mundo novo diante de tantas mudanças que ocorrem. No mundo, na natureza, enfim em um todo globalizado. Algo inovador.

6-Será necessário mudar a prática pedagógica em função da tecnologia?
Acredito que deva adequar, usar das técnicas existentes em função de usar as da tecnologia.

7-Quais contribuições a tecnologia pode trazer para a aprendizagem dos alunos?
Conhecimento, aprendizagem, diversão, interação.

8- E para o seu dia a dia como professor?
O uso das tecnologias é fundamental em minhas aulas.

ATIVIDADES PRESENCIAIS

            
1-  O que mudou na escola na ultima década, no sentido de atender às novas demandas?

        Há dez anos, nossa escola não atendia as crianças portadoras de alguma deficiência na aprendizagem. Hoje temos psicóloga que atende as crianças com essas dificuldades. Materiais didáticos como máquina copiadora, computadores, caixas de brinquedos. O espaço físico foi adaptado para crianças que estudam (crianças pequenas). Além de vários cursos de reciclagem para os professores.

2- Como a escola se coloca diante deste novo panorama da sociedade?
        Aos poucos nossa escola foi adaptando as novas demandas à atender aos novos alunos. Estes com necessidades especiais. Temos sala de recursos para esses alunos. Alunos que antes, não  frequentavam  a escola hoje já sabem conviver com seus colegas, alunos que não tinham limites, não sabiam ouvir um não, agora escutam e obedecem. Construção de salas de informática para atender as novas demandas dos novos alunos que conhecem e usam os computadores.
CURRÍCULO            

Trabalhar com conhecimento organizado,
Sistematizado, aceito socialmente e selecionado em
Estruturas previa-mentes concebidas, como do
Conhecimento que o aluno traz de seu contexto da vida,
Mas que não se limita ao conhecimento.
    A elaboração de um currículo depende da concepção
de conhecimento ensino e aprendizagem que se tem. O desenvolvimento do currículo envolve toda escola, a vida dos alunos. Currículo e ensino não são sinônimos, embora sejam inter-relacionados.
 Currículo é um conjunto de saberes que vem associado a disciplinas e situações cotidianas, vindo de encontro a interesse dos alunos e professores, possibilitando a construção de saberes diários que aliado as novas tecnologias pode realizar novas metodologia na aprendizagem do aluno.

Quais as contribuições das tecnologias ao desenvolvimento do currículo?
                   O uso das tecnologias só potencializa o desenvolvimento das atividades realizadas no contexto escolar. A integração de diferentes mídias, nas ações implementadas pela escola, no cotidiano, possibilita de forma atual questionadora e motivadora  a consolidação de fato, de uma aprendizagem mais coerente e significativa. As tecnologias dão suporte ao currículo participando como ferramentas capazes de atuar como apoio as elaborações de raciocínio no que se refere ao acesso de idéias conceitos imagens permitindo associações mentais para a elaboração do conhecimento.

Como integrar efetivamente as tecnologias ao desenvolvimento do currículo?
            Primeiramente é necessário  que a tecnologia seja efetivamente uma realidade no contexto escolar. Agora pedagogicamente o uso das tecnologias propicia condições para que se possam identificar as dificuldades e os avanços dos alunos, bem como reconhecer o que foi trabalhado do currículo preestabelecido ou seja  trata-se de uma ferramenta extremamente atual e eficaz no processo de ensino aprendizagem.

Como desenvolver projetos no âmbito do currículo?

               Estamos vivenciando uma revolução tecnológica, em todos os sentidos e essa evolução vem ocorrendo de forma muito rápida em muito setores da sociedade, que não tem conseguindo acompanhar essa evolução, dentre eles a educação escolar, cujos currículos,  se mantém desarticulados com a realidade tecnológica.
            Considero que ao se trabalhar projeto na escola cria-se para o aluno uma oportunidade de participar ativamente de seu processo de construção do conhecimento, ou seja, é uma forma de conciliar o  currículo como proposta pedagógica aprendizagem. Trabalho em equipe é eficazmente favorável tanto para elaboração como para execução do projeto.

sábado, 19 de novembro de 2011

ESCOLA E TECNOLOGIA
ALBERTO TORNAGHI
ALMEIDA M.E.B.

             Em nossa sociedade atual nunca houve tantas pessoas em busca de aprendizado. Na escola o que se pode fazer é formar cidadãos para uma sociedade aberta e democrática, terem acesso e darem sentido a informação. Não cabe mais à educação proporcionar aos alunos conhecimentos como se fossem verdades acabadas; ao contrário, ela deve ajudá-los a construir seu próprio ponto de vista, sua verdade particular .
              A formação de qualquer indivíduo, para viver e ser capaz de atuar na sociedade do conhecimento, não pode ser mais pensada como algo que acontece somente no âmbito da escola. A aprendizagem é  uma atividade contínua.O processo de construção do conhecimento que o aprendiz realiza na interação com o mundo dos objetos e do social, aprender significa  ser capaz de utilizar sua experiência de vida e conhecimento  na atribuição de novos significados e na transformação da informação obtida, convertendo em conhecimento.Os seres humanos são a única espécie que intencionalmente acumula cultura e valores, não só adquirimos informações como somos capazes de transmití-la. A  aprendizagem acontece quando as pessoas estão inteiramente envolvidas, mergulhadas na situação e dando o máximo de si.
                   Aprendizagem continuada ao longo da vida significa que, se uma pessoa tem o desejo de aprender, ela terá condições de fazê-lo, independentemente de onde e quando isso ocorre. A aprendizagem ao longo da vida é usada para se referir a “educação de adultos” no período pós ensino-médio. É uma tentativa de proporcionar meios para as pessoas darem continuidade a sua educação e obterem mais certificados.
O papel do  novo educador deve ser capaz de criar condições para que cada indivíduos possa se conhecer como aprendiz. Isto implica estender a aprendizagem segundo uma abordagem sociointeracionista, enfocando a s dimensões: social, afetiva e cognitiva.
                    Em vez de confiar a um grupo centralizado a produção de material didático, que  os próprios alunos, de forma descentralizada, produzam documentação para ajudar outros alunos. É exatamente isso que devemos cultivar na educação, seja on-line ou presencial: esse brilho nos olhos, que se vê em crianças e adultos quando vislumbram a possibilidade de atuar no mundo...
         Que cantem, as sereias: a única educação que faz sentido é a que nos faz mudar o mundo.




SUGESTÕES DE AULA COM JOGOS PARA CRIANÇAS DE 4 E 5 ANOS. EDUCAÇÃO INFANTIL.

Objetivos 
- Promover momentos de vivência lúdica e socialização. 
- Favorecer o aprendizado de regras. 
- Trabalhar o movimento e a expressão corporal. 

Conteúdo 
Movimento. 

Anos 
Com as devidas adaptações, estas atividades podem ser feitas com turmas de creche ou de pré-escola. 

Tempo estimado 
O ano todo, uma vez por semana. 

Material necessário 
Giz (ou carvão) e pedrinhas. 
Desenvolvimento
Regras do caracol 
Para a creche Uma por vez, as crianças saltam, de casa em casa, em direção ao centro do caracol, que é o céu. Chegando lá, descansam e voltam à primeira casa. Elas podem pular com os dois pés e, para isso, as casas são um pouco maiores do que as usadas com as turmas do pré. Não vale pisar nas linhas ou fora. 
Para a pré-escola As casas podem ser um pouco menores e numeradas e só vale pular num pé só. Cada criança lança uma pedrinha no 1 e começa a pular de casa em casa a partir do número 2. No céu, ela descansa e faz o percurso de volta, recolhendo a pedra e continuando os pulos até terminar. Já fora do caracol, ela lança a pedrinha no 2, no 3 e assim por diante. Quem pisar nas linhas, saltar fora, jogar a pedra na casa errada ou se esquecer de pegá-la perderá a vez. 

Regras da toca do coelho 
Para a creche O número de círculos é igual ao de crianças. Cada uma se posiciona dentro de uma toca. Juntas, todas cantam o versinho "coelho sai da toca, um, dois, três!". No fim da frase, todos saem de seu círculo e procuram um novo o mais rápido que conseguirem. Nessa faixa etária, a simples troca de toca já é um desafio. 
Para a pré-escola Há um círculo a menos do que o número de crianças. Elas tiram na sorte quem será a raposa, ou seja, o pegador. O restante da turma, depois de cantar "coelho sai da toca, um, dois, três!", trocam de casa enquanto a raposa tenta capturar um coelho. Quem for pego se torna o novo pegador. 

Regras do labirinto 
Para a creche Uma possibilidade é estabelecer um ponto no desenho, bem distante da criança, e pedir para que ela chegue até lá. O desafio é seguir apenas pelas linhas riscadas no chão. 
Para a pré-escola As crianças tiram na sorte quem será o pegador, que começa o jogo no centro do círculo. Os demais participantes escolhem posições em outros lugares do circuito. Só é permitido andar e correr sobre as linhas. Ao encontrar um amigo, é preciso dar a volta e escolher outro caminho. Quem for capturado também passa a seguir os amigos. Vence o último a ser pego. Se a classe for grande, divida a turma em blocos para evitar congestionamentos.

Regras do circuito 
Para a creche As crianças percorrem trilhas riscadas no chão pisando em linhas retas e curvas. A graça é variar os modos de completar os circuitos: caminhando depressa, pulando com os dois pés, andando de lado ou com as mãos dadas com um amigo. 
Para a pré-escola Além de ganhar círculos e elipses de diferentes tamanhos, o circuito pode conter elementos variados, incluídos pelo professor e também pelos pequenos. Alguns exemplos: colchonetes para cambalhotas, cordas que vão de um apoio a outro para que elas passem por baixo, túneis e rolos como obstáculos para saltos. No início da brincadeira, mostre como atravessar os obstáculos. Em um segundo momento, deixe trechos em branco para que as crianças inventem movimentos ou bifurque o caminho para que elas escolham entre um e outro desafio. Mais tarde, também é possível dividir a turma em grupos para que construam percursos sozinhos. 

Avaliação 
De acordo com a faixa etária das crianças, observe se elas praticam os movimentos exigidos com mais qualidade, incluem novas expressões corporais em seu repertório, aproveitam as oportunidades de socialização para avançar em questões como colaboração e competição, conseguem seguir regras cada vez mais elaboradas e constroem jogos.


PROFESSORA: MÁRCIA ELAINE CALIARI.
TURMA: EDUCAÇÃO INFANTIL, TURMA DE 4  ANOS.
ESCOLA: MUNICIPAL PREFEITO CARLITO FERREIRA. MEUS ALUNOS DE 4 ANOS, 2011.





EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA
       VÍDEO LADISLAU DOWBOR. (2004)


                   A densidade de conhecimento está aumentando. Por isso professores tem dificuldades em ensinar os novos conhecimentos. A escola lecionadora – escola mais organizadora de conhecimento e articuladora dos diversos espaços dos conhecimentos.
Se a TV. Fosse utilizada de forma correta, inteligente se daria um salto de uma inclusão cultural.
          Muitas novas tecnologias levam a novos curso, internet, o espaço está se multiplicando e a escola tem que ser mais articuladora desse processo e não estar repetindo sempre a cartilha.
                Selecionar, encontrar o rumo de novo do conhecimento aprender a ter acesso ao conhecimento, como colocar em prática o que aprendeu em sala de aula, como se organiza os conteúdos.
              Há diversos meios de comunicação de tecnologias para uqe toda sociedade de todas as classes possam ter acesso. Masa educação deve expandir/ continuar essa educação de maneira flexível – trabalho e educação (interação).
Mostrar a realidade do trabalho aos alunos, como funciona cada área que o aluno vai ser inserido.







PLANO DE AULA: ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Plano de aula: Alimentação saudável


Autor(es): MÁRCIA ELAINE CALIARI
                   ANA CLÁUDIA BRIGAGÃO DE ÁVILA


Co-autor(es): MARIA DA GLÓRIA CELESTINO
                          MARIA VIRGÍNIA BEZERRA
                          ZILMA MARIA MENDES DE OLIVEIRA


Modalidade: Educação Infantil



Componente curricular                                   Tema


Matemática                                        Cores e sistema de numeração

Linguagem oral e escrita                   História com fantoche

Linguagem oral e escrita                   Alimentos preferidos

Linguagem oral e escrita                   Entrevista 

Ciências naturais                               Olfato, tato e visão

Ciências naturais                               Alimentação saudável



Dados da Aula



O aluno poderá aprender com esta aula



  • Consumir alimentos saudáveis;
  • Conscientizar-se da contribuição do alimento para a promoção da saúde;
  • Diferenciar cores e sabores dos alimentos;
  • Desenvolver habilidades no uso das tecnologias.



Duração das atividades



7 aulas de 50 min.



Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno



Não há necessidade de conhecimentos prévios.



Estratégias e recursos da aula



1º Momento:

Na rodinha conversar com os alunos sobre a  história que será trabalhada. Apresentar com fantoche uma história da coleção: No reino das frutas.

Conversar sobre a importância das frutas, legumes e verduras na alimentação para ter uma boa saúde.


2º Momento:

Levar para a sala de aula uma caixa surpresa contendo vários alimentos, frutas e legumes, para que a criança possa descobrir o que é através do tato ou do olfato. Explorar as características de cada alimento: cor, cheiro, tamanho, formato, vitamina, benefício, etc. Em seguida, desenhar dentre as alimentos apresentados, o seu preferido.


3º Momento:

Pedir que os alunos tragam de casa recortes de figuras de alimentos variados: salgados, doces, bebidas, frutas, legumes, verduras, etc.


4º Momento:

Juntamente com os alunos confeccionar um painel, separando os recortes trazidos em:

                  Alimentos saudáveis X Alimentos não saudáveis


5º Momento:

Trabalhar com recortes de alimentos e pedir que os alunos construam um prato que represente uma alimentação saudável. Explicar sobre o trabalho do nutricionista e confeccionar um convite para que um nutricionista possa conceder-lhes uma entrevista.


6º Momento:

Elaborar com os alunos as questões que serão feitas ao nutricionista, planejar a entrevista e distribuir tarefas: boas vindas ao entrevistado, quem fará as perguntas, fotografia, filmagem, agradecimentos, etc.


7º Momento:

Entrevistar o nutricionista para obter mais informações e esclarecer dúvidas. Cada aluno neste momento desempenhará sua tarefa conforme planejado com o apoio da professora.


8º Momento:

Utilizar jogos educativos como: da memória, bingo, dentre outros, para complementar o assunto trabalhado.


9º Momento:

Promover o dia do lanche saudável com a hora da fruta, onde cada aluno e profissional da escola trará de casa uma fruta de sua preferência e juntos sentados em uma  rodinha, professores, coordenadores, auxiliares e alunos saborearão a fruta num momento descontraído e agradável, colocando em prática os conhecimentos construídos.


Avaliação


Uma semana após concluir a aula, propor aos alunos que façam um relato oral sobre o que mudou em sua alimentação.

TRABALHO DESENVOLVIDO PELO PROFESSOR

           O curso me proporcionou várias oportunidades de colocar em minha prática pedagógica um currículo diversificado. Colocamos em prática no trabalho do projeto as mídias digitais, os alunos puderam participar ativamente do desenvolvimento do mesmo. Um exemplo disso foi a preparação do projeto sobre hipertexto, em que nós trabalhamos com a fábula, os alunos participaram ativamente do desenvolvimento, dramatizando, desenhando, comentando, usando o senso crítico.
       Pelo que pude observar as cursistas se empenharam ao máximo para colocar em prática o que aprenderam durante o curso. Mesmo com algumas dificuldades.
       Eu desenvolvi habilidades que antes não conhecia, não sabia.

RELATOS DE PROJETOS

Relatos de projetos de trabalho.

Os projetos desenvolvidos pelos nossos alunos deram-lhes a oportunidade de participar efetivamente dos mesmos. Tendo a chance de aprender com as mídias digitais utilizadas: microfone, caixa de som, câmera digital.
O trabalho estimulou a curiosidade, e desenvolvendo assim habilidades como o manuseio das mídias.


CONTRIBUIÇÕES DAS TECNOLOGIAS

Conteúdos curriculares trabalhados e recursos tecnológicos utilizados. Ativ. 4.2(relacionado à atividade 3.8)


O que foi trabalhado mostrou que as tecnologias podem trazer contribuições significativas ao desenvolvimento do currículo se houver clareza da intencionalidade pedagógica, isto é, se o uso das tecnologias ocorrerem integrados a um projeto curricular que se proponha a desenvolver a capacidade de pensar e aprender com tecnologias.
 Os alunos conseguiram por meio da entrevista com a nutricionista habilidades que antes não foram desenvolvidas. Como o uso do microfone, do som, máquina digital, enfim o contato com as mídias despertaram neles um olhar diferente, mesmo que pequeno (alunos com 4 e 5 anos) ele tem o conhecimento das mídias, mas não tem o contato.
As mídias, as tecnologias é uma parceira, uma contribuição que pode nos ajudar em todos os aspectos dentro e fora de sala de aula, pois ajuda-nos a ministrar aulas melhores e interessantes aos nossos alunos, e com a sua contribuição, essa aula com certeza torna-se mais interessante e não cai na rotina do dia a dia. 
 A entrevista foi elaborada e aplicada em conjunto, professores e alunos participaram ativamente, realizando uma pesquisa de campo, elaborando as perguntas, convidando a nutricionista, ajudando nos preparativos da entrevista, entrevistando e registrando. Foi um trabalho bem desenvolvido, pois o assunto era de interesse dos mesmos.
  Entrevista com a nutricionista Fábia Ribeiro, na escola Municipal Prefeito Carlito Ferreira. Alunos de 4 e 5 anos.





sexta-feira, 18 de novembro de 2011

METADADOS






RESULTADO DA APLICAÇÃO DA ATIVIDADE COM HIPERTEXTO





PLANEJANDO ATIVIDADES COM HIPERTEXTO


APRENDENDO COM OS CONTOS DE FADA

PÚBLICO ALVO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL, 4 E 5 ANOS, DA ESCOLA MUNICIPAL PREFEITO CARLITO FERREIRA.
PROFESSORAS: - ANA CLÁUDIA BRIGAGÃO DE ÁVILA
                              - MÁRCIA ELAINE CALIARI
                              - ZILMA MARIA MENDES DE OLIVEIRA

 Justificativa

Ao ouvir histórias a criança entra num mundo cheio de magia, encantamento e fantasia, construindo assim, paralelos com a sua própria vida, ampliando seus horizontes, trazendo novas perspectivas de vida e instaurando o hábito de leitura. A  hora do Conto cria uma cumplicidade entre o educador e a criança, além de aumentar os laços afetivos e a confiança entre ambos.
O trabalho com historinhas torna a aula mais atrativa, dinâmica e próxima da realidade dos alunos e trabalhando com o lúdico, estimula-se a imaginação e a criatividade, além de tornar a aprendizagem mais prazerosa e significativa. As histórias possuem cheiros, cores e sabores por isso são uma fábrica de experiências e imaginação, sendo assim preparamos aulas bem divertidas e prazerosas para que nossos alunos aprendam brincando ,fantasiando e se divertindo.

Objetivo geral

*Estimular cada vez mais o hábito da leitura.

Objetivos específicos

*Estimular a imaginação através de vários tipos de leitura,
*Conhecer o gênero literário: conto de fadas,
*Ampliar o vocabulário,
*Dramatizar histórias,
*Manipular livros,
* Desenvolver a motricidade fina e ampla,
*Mostrar como se portar à mesa,
*Explorar tamanhos,numerais e cores,
*Identificar os membros de uma família e conhecer os vários tipos de família.
*Identificar personagens e suas características.
 
Metodologia
Uso da internet como recurso tecnológico, contação  de histórias, leituras dos desenhos, dramatização, exploração de seriação, numeração, tamanhos, classificação (atributos matemáticos), dança, cantigas,  sequenciação.

Atividades
*Na sala de informática pesquisaremos o que é conto de fada, leremos a história cachinhos dourados imprimiremos uma cópia  para que  cada criança possa colorir a ilustração.
*Faremos a rodinha para  que as criança ouça a história contada pela professora.
*As crianças de quatro anos  pintarão as ilustrações da história, e colocarão em ordem os fatos.
*Aproveitaremos a história para trabalhar cores, como estamos trabalhando a cor roxa, adaptaremos e criaremos Uvinha e os três ursos.
*As crianças dramatizarão a história adaptada.
*Os professores também encenarão a história adaptada.
* As crianças de cinco anos desenharão a história.
* Na sala de informática trabalharemos o numeral três que várias vezes é citado na história.
*Trabalharemos o conceito de família, e   falaremos sobre os vários tipos de família nos dias atuais.
*Novamente na rodinha discutiremos o que a história nos ensina  e cada criança dará a sua contribuição que será anotada pela professora e posteriormente copiada pelo aluno.
*Para encerrar o trabalho, faremos uma aula de culinária com o mingau que foi citado na história.
Avaliação
Será feita no dia-a-dia conforme o desenvolvimento e o interesse de cada aluno.

NAVEGAÇÃO À DERIVA

Saudade

  É uma das palavras mais presentes na poesia de amor,  descreve a mistura dos sentimentos de perda, distância e amor.
Existe a melancdolia causada pela ausência ou desaparecimento de pessoas. Saudade-solidão.
Visão mais especifista o termo advem de saudar e solitude.Suas variações luso-arcaicas é a associação com  o ato de receber e acalentar.
No Brasil o dia da saudade é comemorado no dia 30 de janeiro.
Em galego, além do termo saudade existe o próximo “morrinha”, que em português é associado à doença de animal.
Em botânica, "saudade" é o nome vulgar de várias plantas da família das Dipsacáceas e das Compostas, como as saudades-brancas, que aparecem nos campos e nas vinhas do Sul de Portugal, e é também conhecida por suspiros-brancos-do-monte, as saudades-perpétuas, cultivadas no Sul de Portugal e as saudades-roxas (plantas da família das Dipsacáceas, que aparecem nos terrenos secos e pedregosos, também conhecidas por suspiros-roxos).